On the road – Socorro SP

On the road – Socorro SP

Depois de semanas conturbadas conseguimos respirar um pouco e passar um fim de semana com a família em Socorro – SP. O foco da viagem era descansar, fazer compras em Monte Sião, tomar um famoso chopp cortesia e curtir o famoso pôr do sol da cidade.

Socorro SP – Foto by Évelin Karen

Nos hospedamos na Pousada Igarapé que eu super recomendo. Além de ser bem localizada, ela oferece ótimo café da manhã (com direito a torta de frios e coxinha), piscina, quartos espaçosos e bem decorados.

Pousada Igarapé – Socorro SP – Foto by Évelin Karen
Pousada Igarapé – Socorro SP – Foto by Évelin Karen

Chegamos a noite, dormimos e no outro dia fomos para Monte Sião. Na cidade das malhas, que fica há uma hora de Socorro, existe muitas opções de lojas e produtos. As roupas são vendidas por um preço bem bom e são de boa qualidade.

Chocay com o nome da calça – Monte Sião – Foto by Évelin Karen

Almoçamos no restaurante Tempero Mineiro. A comida era simples, mas estava bem gostosa. Quem almoça tem direito a sobremesa de brinde (uma espécie de manjar que vem em copos de café).

Nosso jantar foi no Restaurante Lubeck. Ali fizemos muitas gordices: comemos bolinho de feijoada, cebola australiana, isca de frango e de quebra tomamos o chopp de cortesia da pousada.

No domingo foi dia de assistir a Missa da Matriz de Socorro. Um pouquinho mais tarde fizemos check out e fechamos o passeio visitando o Mirante do Cristo onde tivemos a oportunidade de conferir uma bela vista da cidade.

Igreja Matriz – Socorro SP – Foto by Évelin Karen
Mirante do Cristo – Socorro SP – Foto by Évelin Karen

Esta family trip rolou em julho de 2016, mas só agora resolvi compartilhar com vocês. Socorro é tão pertinho de Mogi das Cruzes e de São Paulo, tem tantas opções de passeios, esportes radicais, bons restaurantes… e este achado chamado Pousada Igarapé que torna nossa estadia ainda mais confortável e gostosa!

Anúncios

Virada Cultural 2017

Interrompemos nossa programação de posts da minha viagem à Região dos Lagos para falar um pouco da Virada Cultural que aconteceu neste último final de semana!

Juro que ainda estou tentando entender o que foi esta Virada Cultural 2017. Começou com um convite em cima da hora pra ver Dead Fish meia noite do Tendal da Lapa. Como eu já estava de pijama e perderia o começo do show decidi ficar em casa. Então veio o domingo: frio, chuvoso… aquele dia perfeito pra ficar em casa fazendo maratona no Netflix. Porém, quando vi na programação que ia ter É o Tchan com Molejo eu decidi que iria. Deve ser por isso que eu enfrentei o tal frio, a tal chuva e fui.

Eve, a garota da Virada – Foto by Évelin Karen

Chegando em frente ao Theatro Municipal (local onde sairia o Cortejo 90tinha) eu vi o nada. Cadê palco, trio elétrico, galera bonita e descolada? Algumas pessoas indo e vindo, apresentação de dança na chuva e só. Passou um homem com uniforme do evento e perguntei se o cortejo já tinha saído e eis que ele me fala que por causa da chuva o show tinha sido cancelado.

Dançando na chuva – Centro de São Paulo – Foto by Évelin Karen

Eu já tinha pensado nesta possibilidade, tanto que fui pra São Paulo de olho no celular pra saber se iam cancelar ou não, mas… nem fiquei brava. Já que estava lá então ia, no mínimo, dar uma volta.Então encontrei o palco Rock na 7 de abril onde a banda Baleia tocava. Um som muito louco, muito bom. Bandas com violino me conquistam fácil. Uma vibe gostosa e parecia que a galera de humanas de miçanga estava em peso curtindo o som.

Banda Baleia – Foto by Évelin Karen

Faltava pouco para o fim da apresentação. Olhei a programação e vi que Roberta Miranda ia cantar Roberto Carlos no Boulevard São João. Foi quando saí em direção à praça da República e começo a ouvir… Molejo! Sim, o show estava rolando ali na Basílio e Roberta que me perdoe porque fui curtir o tal show que eu tanto queria.

É o Tchan e Molejo – Foto by Évelin Karen

A energia do show do É o Tchan é incrível e com Molejo ficou mais divertido ainda. Na sessão nostalgia teve muito samba, muito axé, muita coreografia, cachorros latindo, mendigos se divertindo… muita energia positiva.

Artistas da vida – Foto by Évelin Karen

Depois de muito axé o que fazer? Passei pelo palco Rock de novo e acabei no palco Virou Mix no show Equivocada – Marcelle. Ali sim vi aquela galera naquela vibe alternativa dançando na chuva sem medo de ser feliz. Adoro!

Equivocada – Marcelle – Foto by Évelin Karen

Um pouco tarde percebi que estava rolando um tributo aos Novos Baianos. Corri para o Boulevard São João bem perto da onde foi o show dos Novos Baianos na Virada de 2009, aliás aquele foi um dos melhores shows da minha vida, pois eu não tinha ideia que um dia poderia presenciar… Novos Baianos me remete a época em que eu trabalhava com cinema e sempre será muito amor!

Por último fui curtir o show do Tiago Abravanel, mas antes passei pelo palco do Hip Hop que estava rolando Thaíde e “que tempo bom que não volta nunca mais…”

Thaíde – Foto by Évelin Karen

Último show da minha noite: partiu Tiago cantando Anita, Ludmila, os sucessos do momento que faz a galera dançar. E eis que surge a diva Gretchen pra fechar a Virada com chave de ouro. Muita Conga la Conga, roupa molhada, guarda chuva, gente fantasiada, diversão e alegria.

Tiago recebe Gretchen – Foto by Évelin Karen

Eu juro que não entendo como posso gostar tanto da Virada e não curtir carnaval e os blocos de rua. Mesmo achando a Virada deste ano um pouco miada (o mau tempo ajudou), valeu a pena trocar uma tarde de edredom por uma tarde de chuva no centro de São Paulo. Curtindo de tudo um pouco na selva de pedra, um cenário que estava maluco ontem, mas que hoje já voltou à normalidade. E mais uma vez passei ilesa, sem ser assediada, nem furtada e sem ver confusões. O que dizer então? Até a próxima Virada!

E no próximo post volto a falar sobre a minha viagem a Região dos Lagos. Desta vez, a cidade visitada foi Búzios!

On the road – Boiçucanga

Em meio a minha pausa de trabalhos no início do ano, vulgo desemprego, decidi passar um final de semana em Boiçucanga, praia do litoral norte paulista. Peguei um ônibus em Mogi, desci na Riviera de São Lourenço e ali peguei outro ônibus até meu destino final. 

Praia de Boiçucanga – Foto by Évelin Karen

A pousada escolhida foi a Pousada Casa de Pedra. Bem arrumadinha, café da manhã simples, mas gostoso e com suquinho natural delicinha. Prós: eles emprestam cadeiras de praia e guarda sol. Contra: a pousada fica de frente para a parte mais brava da praia. A área mais tranquila não é tão longe, mas… #ficadica

Pousada Casa de Pedra – Foto by Évelin Karen

Cheguei em Boiçucanga no meio da tarde, então só tive tempo de ir ao mercado comprar suprimentos, almoçar num restaurante no shopping, perder meu cartão do banco e curtir um pôr do sol lindo. 

Pôr do sol em Boiçucanga – Foto by Évelin Karen

No meu segundo dia tomei café, abasteci minha bolsa térmica e fui conhecer a praia de cabo a rabo pra fazer umas fotos. Ali tem pedras, rio, mar calmo… Resolvi voltar pra perto da pousada e fui dar um tchi bum (porque no dia anterior eu entrei naquele mesmo ponto e estava “tranquilo”). Só digo que eu tomei dois rolas tão tensos que minhas costas ficou até sangrando. 

O lado mais calmo de Boiçucanga – Foto by Évelin Karen

Voltei pra pousada e tomei um banho para tirar os 5 kg de areia adquiridos no rola. Almocei, dormi e curti mais um pôr do sol. No domingo acordei super cedo porque perdi o sono. Resolvi me trocar e as 06:30 saí pra correr na praia. Spoiler: esta foi a minha pior escolha na viagem.

Mesmo passando repelente, os mosquitos me detonaram… Só quando eu voltei pra pousada que tive dimensão do estrago. Claro que eu tive que cair no antialérgico. Depois de chorar de desespero de tanta coceira resolvi ir a missa na Igreja Nossa Senhora da Conceição. Foi uma celebração ótima já que o padre super interagia com todos. 

Capela Nossa Senhora da Conceição – Boiçucanga – Foto by Évelin Karen

A tarde rolou  mais praia e almoço no restaurante Sebastiana que é muito delicinha: som legal, ambiente bacana, comida gostosa e barata, de frente pro mar… Achei tudo uma delícia. 

Almoço delícia no Sebastiana em Boiuçucanga – Foto by Évelin Karen
Pense num lugar bacana: é o Sebastiana em Boiçucanga – Foto by Évelin Karen

Já na segunda foi dia de curtir apenas a manhã de praia porque a tarde foi meu retorno pra Mogi. Foram 3 ótimos dias de sol, praia e, assim que eu voltei, o tempo virou e a chuva desabou de um jeito que destruiu muita coisa aqui em Mogi #triste

E aí? Curtiram Boiçucanga? No meu próximo post vou até o Sul e conto um pouco sobre minha terceira ida a querida Porto Alegre.