Turismo em Portugal: o que você precisa saber antes de ir

Turismo em Portugal: o que você precisa saber antes de ir

Conhecido pelo famoso Vinho do Porto, o saboroso bacalhau e os deliciosos pasteizinhos de Nata, Portugal oferece muito mais que uma rica gastronomia. Praias, montanhas, castelos… opções de passeios certamente não faltarão se você escolher fazer turismo em Portugal.

E se você está planejando passear por terras lusitanas, preparei aqui um guia com informações básicas que você precisa saber antes de ir. Bora conferir?

Onde fica?

Portugal está localizado na zona ocidental da Península Ibérica e faz fronteira apenas com a Espanha. O país europeu, banhado pelo oceano Atlântico, também possui duas regiões autônomas: a famosa Ilha da Madeira e o arquipelágo de Açores.

Quando ir?

Depende do que você pretende fazer nas sua viagem. Quer curtir a neve nas montanhas? Então é melhor viajar na época de inverno. Aliás, para aqueles que curtem esquiar, a estação de esqui que fica na Serra de Estrela costuma abrir de novembro a abril #ficadica 

Agora se você quer conhecer as grandes cidades como Lisboa e Porto ou até mesmo um pouco das praias do Algarve, é melhor escolher meses como junho ou setembro que não fazem parte da altíssima temporada. Eu fui em setembro e super recomendo. Nesta época os lugares não estão tão cheios, as vias não têm muito trânsito, ainda está aquele calorzinho de verão (mas um pouco mais ameno) e assim você pode aproveitar mais o passeio. 

Como é o clima?

O clima de Portugal é temperado, ou seja, com invernos que tendem a ser mais chuvosos e frios, assim como os verões são mais secos e quentes.

Se você curte neve, saiba que até poderá encontrar esta paisagem fria e branquinha em terras lusitanas, mas nada muito extremo. Aliás, Portugal é conhecido por ser um dos países menos frios da Europa.

Qual a moeda?

O dinheiro utilizado em Portugal é o Euro. Você pode levar em espécie, cartões pré pagos como Visa Travel Money ou Mastercard Travel. Uma outra opção são as empresas de envio de dinheiro, como o Western Union e o Transferwise. Aliás, se você tem endereço de envio de correspondência na Europa, é possível até fazer um cartão multimoeda para pagar sua contas no débito com a Transferwise (que também costuma oferecer as melhores taxas do mercado).

Eu acabei levando dinheiro em espécie, um pouco no Visa Travel Money apenas por segurança e dois cartões de crédito internacionais desbloqueados (que quase não usei). Confesso que me arrependi por ter comprado o Travel Money e por não ter feito um cartão da Transferwise, mas vivendo e aprendendo, não é mesmo?

Visto e imigração: como funciona?

Por enquanto, brasileiros conseguem ficar até 90 dias nos países do Tratado de Schengen sem necessidade de solicitar um visto previamente. Ou seja, você pode passar até 90 dias em Portugal ou usar estes mesmos 90 dias para passear por Portugal e outros 25 países do Tratado (que são: Alemanha, Áustria, Bélgica, Dinamarca, Eslováquia, Eslovênia, Espanha, Estônia, Finlândia, França, Grécia, Holanda, Hungria, Islândia, Itália, Letônia, Liechtenstein, Lituânia, Luxemburgo, Malta, Noruega, Polônia, República Tcheca, Suécia e Suíça). Mas lembre-se: nem sempre 90 dias são 3 meses, ok? Calcule os dias certinhos para evitar problemas na imigração na sua saída.

Portanto, se você vai pra Portugal é necessário apenas apresentar o seu passaporte com validade superior a 6 meses no balcão da imigração, assim como os demais documentos de viagem, caso solicitados (comprovação financeira, seguro viagem, etc). Mas isso vai mudar em breve! A partir do final de 2022 está previsto entrar em vigor o ETIAS: Autorização de Viagem Europeia para Brasileiros, que deverá ser solicitada online antes da realização da viagem.

Qual o idioma?

Está é fácil: o famoso e real oficial português de Portugal. Confesso que algumas vezes não consegui entender o que eles falavam, mas não ter esta barreira da língua acaba sendo um incentivo para os turistas brasileiros se aventurarem na Europa. Os portugueses costumam falar bastante rápido e, aliás, alguns deles dizem que nós falamos “brasileiro”.

Como chegar?

É possível encontrar diversas companhias aéreas partindo do Brasil com destino à Portugal, como a TAP, Azul, LATAM, British Airways, Air Europa, Iberia, Air France, Alitalia, dentre outras. Eu acabei optando pela Royal Air Maroc, pois fiz um stopover e passei 4 dias no Marrocos pagando um pouquinho a mais por isso.

Já nos deslocamentos dentro de Portugal você pode optar por ônibus, trem, avião, Blah, Blah Car. Eu acabei fazendo todos os meus trajetos de ônibus (Porto – Fátima, Fátima – Lisboa – Lisboa – Alvor, Alvor – Albufeira, Albufeira – Sevilha), pois para mim acabou sendo a opção mais econômica.

O que fazer em Portugal?

Se você ainda não sabe para onde ir em Portugal, eis aqui algumas opções. O país apresenta uma diversidade de lugares para visitar: belas praias, como a famosa região do Algarve, montanhas como a Serra da Estrela, opções de trilhas na Costa Vicentina, além das cidades mais famosas como Lisboa, Porto, Fátima, Sintra e Coimbra.

Quanto tempo ficar em Portugal?

Esta pergunta é muito relativa, pois isso vai depender não só de quais lugares você pretende conhecer como do seu ritmo de viagem. Se você gosta de curtir um pouquinho de cada cidade, acho que duas semanas é um período ok. Agora se você prefere visitar os lugares com mais calma e tem mais tempo para isso, eu super recomendo no mínimo um mês para que você possa vivenciar um pouco mais a cultura local.

Preciso fazer seguro viagem?

Sim. É obrigatório fazer um seguro viagem para entrar em Portugal, pois ele é um dos 26 países que fazem parte do Tratado de Schengen. Além disso, o seguro precisa cobrir, no mínimo, 30 mil euros de despesas médicas e hospitalares. Este documento poderá ser solicitado pelo agente da imigração na sua chegada e, caso você não tenha, será um motivo para te deportar (eu não conheço pessoas que passaram por isso, mas pode ocorrer sim). Além disso, fazer um seguro viagem te traz mais conforto, pois além de cobrir despesas com consultas médicas e odontológicas, também pode proporcionar reembolso de medicamentos, indenização caso sua mala seja extraviada, reembolso em caso de interrupção ou cancelamento de viagem dentre diversos outros problemas que podem acontecer. É claro que ninguém quer ficar doente na estrada, mas saiba que ficar doente pagando em Euro pode sair muitas vezes mais caro que o valor investido neste seguro. 

Algumas pessoas optam por utilizar o PB4, documento que pode ser solicitado no site do Governo Federal e que dá acesso ao sistema de saúde público português. Vale lembrar que hospitais e clínicas públicas em Portugal são pagas, logo pense bem se esta escolha será vantajosa para você.

Eu fiz o meu seguro viagem com a World Nomads. Graças a Deus não precisei utilizar, portanto não tenho como opinar se ele é de fato o serviço deles. Mas confesso que durante a minha pesquisa eu vi que eles me ofereciam o melhor custo x benefício.

Portugal é perigoso?

Eu achei as cidades que eu passei super seguras (Porto, Fátima, Lisboa e Albufeira). É claro que eu tomava os meus cuidados, pois sou uma brasileira acostumada a andar com a mochila na frente do corpo e sei que furtos de celulares e carteiras costumam acontecer na maioria das grandes cidades do mundo (principalmente com turistas distraídos). Porém, posso afirmar pra vocês que em nenhum momento me senti insegura.

Vale a pena fazer turismo em Portugal?

Com certeza! Muito da nossa história tem influência deste país, por isso vale a pena ir e “beber da fonte”. Visite Portugal e conheça uma rica cultura, experimente um pouco dos quitutes que te darão água na boca, curta praias, trilhas, parques e se divirta. Recomendo, quero voltar e quem sabe nos encontramos por lá!

Anúncios

Turismo no Marrocos – O que você precisa saber antes de ir

Essaouira – Marrocos

Como muitos já sabem, o primeiro país que visitei no Meu Sabático de 100 dias foi o Marrocos. Confesso que minha maior motivação era conhecer o Deserto do Saara (o que acabou não acontecendo desta vez), porém acabei me abrindo ao novo e pude desvendar um pouco deste país de cultura rica, lugares encantadores, muitas cores, cheiros e sabores.

Antes de embarcar, tanto meus conhecidos quanto as pesquisas que eu fazia na internet estavam me deixando beirando o pânico. Sequestros, assédio, escorpiões… parecia que eu ia embarcar em uma viagem sem volta. Mas, fui com medo mesmo e em 4 dias de viagem pude me surpreender muito em terras marroquinas. 

E você? Também tem vontade de conhecer o Marrocos? Se estiver planejando sua viagem, confira aqui as principais informações que você precisa saber antes de embarcar nesta aventura em solo africano.

Onde fica o Marrocos?

O país está localizado na região norte do continente africano e é banhado pelo Oceano Atlântico e pelo Mar Mediterrâneo. Outro fato que chama atenção é que ele é o país africano que fica mais próximo do continente europeu, por isso muitos turistas que visitam a Espanha e Portugal acabam adicionando o Marrocos no roteiro.

Como chegar no Marrocos?

Se você busca um voo direto saindo do Brasil, a melhor opção é voar pela companhia Royal Air Maroc. Agora se você tem uns dias sobrando pode optar pela TAP, Ibéria ou Air France e ainda fazer um stopover em um destes Hubs (TAP: Porto, Lisboa, Faro; Air France: Paris; Ibéria: Madrid). Eu optei pela Air Maroc, pois fiz um voo direto para Casablanca. 

Minha experiência voando pela Air Maroc foi bem ok. O voo atrasou uma hora para sair de São Paulo, tivemos um jantar e um café da manhã, além de travesseiro, cobertor e uma mini necessaire de plástico com uma meia e um tapa olho. As poltronas possuem TVs individuais e entrada USB para carregar o celular.

No final das contas acho que valeu a pena. Aproveitei e comprei minha passagem para Porto com stopover em Casablanca com uma diferença no valor final da passagem de menos de R$ 100,00 (isso mesmo, pude conhecer dois países pagando pouquíssimo por isso).

De Casablanca a Marrakesh

Chegando no aeroporto de Casablanca eu desci um lance de escadas e já estava na estação ferroviária. Comprei meu ticket de trem saindo do Aeroporto até a estação Casa Voyageurs (Gare de Casa Voyageurs). Já na estação Casa Voyageurs comprei meu ticket com destino a Marrakesh (poderia ter comprados os 2 trechos no aeroporto, mas como o primeiro trem estava prestes a sair tive que fazer a compra em duas etapas).

Dica: é possível comprar o ticket de trem pelo site da empresa ONCF: é mais simples, seguro e assim você evita cair em golpes como aconteceu comigo (no dia que estava voltando de Marrakesh). 

Visto e imigração: como funciona?

Para nós brasileiros não é necessário visto solicitar um visto previamente para entrar no país. Na imigração você terá apenas que preencher um formulário e apresentar seu passaporte para que seja carimbado.

Qual é o idioma falado no Marrocos?

O árabe e o berbere são os idiomas oficiais. Na região de Casablanca e Marrakesh é comum ouvir pessoas se comunicando em francês, porém existem  algumas cidades no país onde é possível ouvir os locais conversando em espanhol também. 

Qual o dinheiro utilizado no Marrocos?

A moeda usada no Marrocos é o Dirham. Como depois eu iria passar uma temporada na Europa, acabei levando Euros para trocar por Dirhans apenas quando chegasse em Casablanca (sim, eu saí do Brasil sem nenhuma moedinha marroquina e não me arrependo por isso). No aeroporto existem várias casas de câmbio, então aproveitei e já troquei todo o dinheiro que eu pretendia gastar durante minha estada (em agosto de 2019 consegui trocar 100 euros por 1030 dirhans).

Como se vestir no Marrocos? 

No Marrocos as mulheres não são obrigadas a utilizar o hijabe, porém muitas marroquinas optam por utilizá-lo (pra quem não sabe, hijabe ou hijab é aquele véu que as mulheres usam para cobrir a cabeça). Quando saí do aeroporto eu resolvi amarrar um lenço na cabeça, porém alguns locais me falaram que não era necessário e eu acabei deixando de usar. Mesmo sem o lenço, durante todos os dias eu me vesti com calça ou saia longa, blusinha de manga ou alguma manga longa. Roupas curtas e decotes não faziam parte do meu dress code. Pra mim era uma questão de respeito a cultura deles, pois quem estava de intrusa ali era eu, não é mesmo? Até vi pessoas se vestindo como se estivessem passeando no verão de Paris, mas eu não recomendo.

Como é o clima?

Marrocos me lembra Deserto do Saaara que me lembra calor, muiiiito calor. Mas nem de sol e suor vive o país. Aliás, você sabia que em alguns lugares do Marrocos chega até a nevar? 

O clima do Marrocos é divido em 4 “zonas”: continental (no interior onde existem as áreas montanhosas), oceânico (em toda a costa ocidental), mediterrânico (região das montanhas do Rif e do litoral) e desértico (na região ao sul das montanhas do Atlas).

Quando ir?

Segundo a maioria dos blogs e sites de viagens, os melhores meses para visitar o Marrocos são de Março a Maio (durante a primavera) ou de Setembro a Novembro (durante o outono), pois nestes períodos o clima é mais ameno. O mês de agosto costuma ter temperaturas bem altas, por isso algumas agências deixam até de realizar o Tour para o Deserto do Saaara. Confesso que eu fui no mês de agosto e não morri! Enfrentei bastante calor em Marrakesh, até senti uma brisa fria quando visitei Essaouria, mas não visitei a região de deserto onde o calor é mais extremo.

Onde ir?

Não vai faltar atrações para você escolher: se encantar com a mais alta cachoeira do norte da África, a Ozoud Waterfall; ver a tal “árvore de cabras” na famosa Argan Tree (e ainda visitar uma fábrica de argan para saber como funciona a produção dos  produtos); curtir um dia de praia em Essaouira; se perder e se encontrar diversas vezes pela Medina de Marrakesh; conhecer a famosa Mesquita Hassan II na maior cidade do país, Casablanca; visitar algumas das cidades que foram cenários de filmes e novelas famosas (como Ouarzazate, conhecida como a Hollywood do Marrocos); ver um pôr do sol inesquecível nas dunas do Deserto do Saara… Vou parar por aqui, mas estes são apenas os principais passeios dentre as diversas atrações que o Marrocos oferece.

Quanto tempo ficar no Marrocos?

Eu fiquei apenas 4 dias e achei muito pouco. Minha sugestão é no mínimo uma semana para que tenha tempo de fazer o passeio de 3 dias e 2 noites no Deserto do Saara.

Preciso fazer seguro viagem para ir para o Marrocos?

Os viajantes que visitam o Marrocos não são obrigados a apresentar a documentação de seguro viagem, porém minha dica é: se você for, faça (ou reze para não ficar doente, senão você vai pagar MUITO caro por isso!

Eu fiz o meu seguro viagem pela World Nomads, pois foi o melhor custo x benefício que eu achei nas minhas pesquisas (ainda mais considerando que este era apenas o primeiro dos diversos países que eu visitei no Meu Sábatico de 100 dias).

O Marrocos é perigoso?

Eu acho que me senti mais insegura pela quantidade de quantidade de comentários negativos que eu ouvi antes de embarcar que de fato pelas situações que vivenciei. Posso falar que eu tive uma experiência positiva durante minha curta estada. Pra mim foi super tranquilo andar sozinha por Marrakesh e não tive nenhum episódio que me senti com medo. Falaram tanto da questão do assédio, dos homens que querem trocar mulheres por camelos, de pessoas que foram sequestradas e nunca mais foram encontradas, mas comigo graças a Deus foi tudo bem tranquilo. Mas é claro, como boa brasileira fique sempre alerta e tente evitar situações que te coloquem em risco (eu, por exemplo, não curto sair a noite e é claro que não saia pelas vielinhas do hostel sozinha quando estava escuro).

Vale a pena ir para o Marrocos?

Com certeza sim! Cruzar o oceano e ver que do outro lado existe uma cultura bastante diferente da nossa é uma experiência enriquecedora. Além disso, vale a pena conferir a beleza dos lugares destas terras africanas. Eu acho que não aproveitei muito, pois fiquei poucos dias e ainda não estava conectada à minha viagem. Espero em breve visitar o Marrocos para aproveitar ainda mais e compartilhar minhas experiências com vocês.

E aí? Partiu Marrocos? Marque nos comentários ou compartilhe este texto com as amigas que estão planejando curtir uma aventura marroquina.

On the road – Bahia Parte 1 – City Tour

Sorria, você está na Bahia!!!

Pois é, desta vez (2015) o destino escolhido para curtir as férias com meus pais foi o litoral baiano, mais precisamente a cidade de Salvador. Chegamos na tarde de quinta feira e fizemos check in no hotel Bahia Mar que foi nossa casa durante uma semana. O que dizer sobre nossa estadia? Simplesmente ótima. Quartos e banheiros espaçosos, chuveiro bom, ar condicionado e um ótimo café da manhã com direito a tapioca pra quem gosta. A única coisa que eu pontuaria como ruim é o funcionamento do wifi que deixa muiiiiito a desejar. 

Vista do Hotel Bahia Mar Salvador – Foto by Evelin Karen

Nos nossos dois primeiros dias de viagem resolvemos apenas curtir o hotel (e eu curti só a cama). Como eu tinha acabado de chegar da minha outra viagem e ainda estava lutando contra a intoxicação alimentar resolvi aproveitar o ócio e deixar a fraqueza tomar conta. Dormi praticamente o dia e a noite inteira. Só levantei para fazer as refeições e não me arrependo nem um pouco disso.

Já no terceiro dia fizemos o city tour histórico e panorâmico. A primeira parada foi o Farol da Barra, um dos cartões postais da cidade de Salvador.

Turistando em Salvador – Foto by Évelin Karen
Farol da Barra Salvador – Foto by Évelin Karen

Passamos pelos principais pontos da cidade e também pela cobertura da Ivete Sangalo e o estádio Arena Fonte Nova. A próxima parada foi a Igreja de Nosso Senhor do Bonfim, conhecida pelas famosas fitinhas coloridas. Ao descer do ônibus somos assediados por vários ambulantes que nos oferecem uma fitinha como presente. Esta deve ser amarrada no pulso ou na grade da igreja enquanto fazemos um pedido. Diz a lenda que quando a fita se solta o pedido é realizado (agora que eu lembrei que dei uns dez nós na minha… Hunf).

Arena Fonte Nova Salvador – Foto by Évelin Karen
Igreja de Nosso Senhor do Bonfim Salvador – Foto by Évelin Karen
Eve e as fitinhas do Senhor do Bonfim – Foto by mamis

A próxima parada foi no Elevador Lacerda/ Pelourinho. Neste momento, o relógio já marcava 11 horas e o sol brilhava muito forte. A fraqueza começou a bater de novo e por isso acabei não vendo o projeto Olodum, pois resolvi ficar no restaurante onde iríamos encontrar o grupo.

Elevador Lacerda Salvador – Foto by Évelin Karen
Pelas ruas do Pelourinho Salvador – Foto by Évelin Karen

Depois de um almoço não muito gostoso visitamos a Igreja de São Francisco que é super “jogada no ouro”. Uma bela construção com muitos traços da arte barroca e com diversas obras de arte no teto que trazem uma perspectiva a la 3D. Eu fiquei de queixo caído com este teto!

Igreja São Francisco Salvador – Foto by Évelin Karen
Puro ouro na Igreja de São Francisco em Salvador – Foto by Évelin Karen

Como em todo city tour, a última parada ficou reservada para que as pessoas consumistas comprassem as famosas lembrancinhas no Mercadão da cidade. Eu me rendi e acabei comprando um turbante liiiiiiindo! Na saída fiz gordice e comprei uma deliciosa caixinha de cocada vendida pelas baianas que ficam na porta do mercado.

Fim de tarde Em Salvador – Foto by Évelin Karen

Foi um dia bastante cansativo e a noite só conseguimos comer uma tranqueirinha para dormir e encarar o próximo dia de passeios pela Praia do Forte (com direito a belas paisagens e acidente de percurso). Mas estas histórias ficarão para o próximo post.