Os principais medos que me impediam de embarcar no meu sabático

Quando surge o assunto “período sabático” o que costuma vir a sua cabeça? Se você é uma viajante como eu poderá pensar sobre paisagens paradisíacas, fazer novos amigos pela estrada e uma busca não só por novos lugares, mas também por nós mesmas, numa grande jornada de autoconhecimento. Sei também que algumas de vocês devem associar um sabático ao filme “Comer, Rezar, Amar” e eu não te julgo por isso rs. Tudo parece muito incrível, mas preciso te confessar uma coisa: até para tirar um sabático existem momentos de dúvidas, medos e muitas inseguranças.

No meu post anterior eu fiz uma lista com 10 medos, desculpas e pré conceitos que costumamos colocar como barreira para não tirar um sabático. Mas aqui resolvi contar um pouquinho mais sobre a minha história. Nestes meus 33 anos de vida eu passei no mínimo uns 20 anos sonhando em passar um tempo fora. Porém, quando parei para pensar quais eram os principais motivos que não me deixavam tornar este sonho realidade, acabei percebendo que as 3 perguntas que mais me tiravam o sono eram: 

1- “E se acontecer alguma coisa com a minha família?”

Este sim era meu maior medo: estar longe, do outro lado do oceano e receber alguma notícia de que algo aconteceu com um dos meus familiares. Conversei com algumas amigas que já passaram um tempo fora e com outras pessoas que me alertaram “Eve, se tiver que acontecer alguma coisa não adianta se você está do outro lado do mundo ou do outro lado da sua casa… vai acontecer e não temos muito o que fazer”. Confesso que foi muito difícil criar coragem e correr este risco, mas depois de muito pensar percebi que tinha chegado o meu momento, que eu precisava passar por esta nova experiência e confiar um pouco mais em Deus e nos meus instintos (e não é que deu certo?!).

2- “E se eu nunca mais conseguir um emprego?”

O medo de ficar desempregada costuma ser um dos maiores desafios a ser enfrentado nesta tomada de decisão. O número de desempregados no nosso país é assustador, por isso, estar empregada e pedir demissão para passar um tempo viajando parece ser loucura para muitos. Porém, cheguei num ponto da minha vida onde percebi que era hora de me colocar como prioridade pela primeira vez e, de fato, viver algo que eu sempre sonhei. “E se eu nunca mais arrumar emprego”? “Nunca” é tempo demais e certamente eu iria conseguir me virar fazendo uma coisinha ou outra, enquanto minha carteira não encontrasse um registro novamente.

3- “Mas… e meu cabelo? #comofas?”

Só quem é escrava das químicas sabe: quando a raiz do seu cabelo está crescendo tudo o que você mais quer é agendar uma hora no salão para dar um tapa na peruca e deixar as madeixas em dia. Agora quando você é preta, estar com o cabelo “desarrumado” pode te causar mais insegurança e medo, seja de olhares tortos em uma loja que você entra, até a situações constrangedoras de ter sua bolsa revistada (mas não vou entrar nesta discussão agora). Eu faço relaxamento há mais de 20 anos e nem lembro mais como é meu cabelo sem química. A cada um mês e meio, no máximo dois, corro no salão e passo no mínimo duas horas neste ritual de “libertação capilar”. Sempre que eu pensava em passar um tempo mais longo fora do país vinha a dúvida “mas o que eu vou fazer com o meu cabelo? A raiz vai crescer, vai ficar tudo arrepiado, vou ter vergonha, vou ficar feia” etc, etc, etc. Agora que já fui e voltei percebi que este era o meu medo mais besta. A raiz cresce, o cabelo não fica do jeito que a gente mais gosta, mas isso não faz a menor diferença quando você está curtindo o seu momento. Não vou dizer que não rolaram momentos de preconceito na viagem porque estaria mentindo, porém tenho certeza que a culpa não foi do meu cabelo. Por isso ficou aqui o aprendizado e ouso aqui te questionar: é melhor estar com o cabelo arrumado no seu sofá e sem sair da sua zona de conforto ou estar com o cabelo arrepiado mas admirando os alpes suíços e realizando os seus sonhos por este mundão afora? Agora já tenho certeza que a opção 2 se encaixa melhor no meu perfil.

No final das contas percebi que os motivos que eu tinha para tirar um sabático eram muito mais importantes e relevantes que os medos que eu alimentava. E você? O que te impede de tirar um sabático? Por que você tem adiado a realização dos seus sonhos?

2 comentários em “Os principais medos que me impediam de embarcar no meu sabático

  1. Super entendo seus medos, o ultimo não muito hoje, mas confesso que ja pirei numa raiz grande e cheia de fios brancos😂. Faz parte de nossa vaidade, nossos cuidados para sentir bem.
    Mas também prefiro estar bem “Juma” mundo afora que “arrumadinha” em casa.

Deixe uma resposta