Meu sabático de 100 dias!

Você já pensou em tirar um período sabático? No dia 23 de agosto de 2019 embarcarei na minha mais longa jornada de viagem. Quer saber um pouco mais? Então senta que lá vem história!

O início

Tudo começou na minha última viagem de férias. Fui para o Peru e, como a maioria das pessoas que vão pra Cusco, resolvi visitar Machu Picchu. A maneira mais tradicional de conhecer o lugar é partindo de trem de Cusco até Águas Calientes, mas como sou uma viajante baixo custo é claro que eu não tinha tanto dinheiro pra andar em um dos trens mais caros do mundo. Isso me fez desistir? Capaz!

Uma outra opção seria ir de van até a Hidrelétrica e de lá fazer uma trilha de mais de duas horas até Águas Calientes. Pesquisei em vários blogs e vi várias pessoas falando que a estrada é muito perigosa, que os motoristas peruanos são loucos e correm demais, que a estrada é cheia de curvas e precipícios, que só vai de van quem é suicída e por aí vai. Algumas pessoas falavam que dava pra ir, mas é claro que sempre guardamos na cabeça as opiniões negativas, não é mesmo? E o valor? Este sim cabia no meu bolso. Então, rezei e um Pai Nosso e partiu conhecer mais uma das Sete Maravilhas do Mundo.

Quem quiser mais detalhes de como foi este rolê é só acessar o post sobre Machu Picchu. Fato é que a parte que eu mais gostei deste tour foi a trilha. Foi ali que eu pude sentir muita gratidão, me conectar comigo mesma e escutar o chamado: “eu preciso partir”. Aos poucos fui digerindo e tentando entender o que aquilo significava. Senti pela primeira vez que estava preparada para passar um período fora do país que fosse mais longo que apenas 30 dias de férias. Senti que tinha chegado a hora de conhecer outras culturas e tentar vivenciar o dia a dia em outros países. Senti que tinha chegado a hora de realizar um sonho.

Primeiros passos

Então voltei para o Brasil e em uma conversa de bar com a minha amiga Pri citei mais uma vez sobre este meu sonho e sobre o chamado. Ela sempre me encorajou a passar um tempo fora, por isso ficou super animada com a ideia. Naquela mesma hora ligou a calculadora do celular e começou a me ajudar a fazer os cálculos. Como não sou filha do Rei do Gado começamos a fazer as continhas para definir: Quais eram meus gastos fixos e essenciais? Quais eram os variáveis? Quais eu poderia cortar? Quanto de dinheiro eu precisava para tornar este sonho realidade e quanto tempo eu teria que trabalhar para juntar esta grana? Em questão de horas conseguimos fechar este meu planejamento inicial com um objetivo bem definido e algumas metas que deviam ser alcançadas ao longo do período.

O caminho

A partir daí apertei os cintos e comecei a ter foco real, oficial. Deixei de gastar com manicure quinzenalmente, deixei de sair e quando saía tentava ir para lugares que aceitavam meu VR, comecei a ver meus amigos com menos frequência. Abri mão de muitas coisas (como viajar no ano novo que é uma época absurdamente cara). Passei Natal e Ano Novo sozinha em casa, mas não me arrependo porque eu tinha este meu propósito. Aliás, no tempo que eu fiquei em casa pude economizar e ainda me dedicar as pesquisas. Fui reunindo esforços pra alcançar o tão sonhado objetivo.

Escolhas

Então, em junho de 2019, pedi demissão. Foi um susto para algumas pessoas, uma grande loucura para outras, mas… finalmente era hora de parar de sonhar e de fato viver o sonho! Um sonho que acredito que será a grande aventura da minha vida. Agora, mais que nunca, serei a protagonista das minhas histórias e quero muito que você também faça parte delas. E aí? Vem comigo? Acompanhe em tempo real no meu Instagram!

A realização

Nos próximos meses resolvi viver de um sonho. E quando eu acordar? Talvez eu levante, tome um banho, vista uma roupa e volte para a velha rotina que me deixa mais segura, ou talvez eu vire para o lado e continue a sonhar um sonho ainda maior!

Deixe uma resposta